OS BENEFÍCIOS ACIDENTÁRIOS E A COMPETÊNCIA DA JUSTIÇA DO TRABALHO