A FUNÇÃO JUDICANTE: ENTRE A RACIONALIDADE TAYLORISTA E A PÓS-MODERNIDADE